Sobre o Filme: A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata


Um filme com nome grande, estranho e até engraçado. Essa é a primeira coisa que a maioria pensa ao ver A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata no catálogo da Netflix, mas começo essa resenha dizendo que ele vai muito além dessa primeira impressão.
O filme – adaptação homônima do livro de Mary Ann Shaffer e Annie Barrowse – conta uma história sobre outras histórias. A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata se passa na década de quarenta, Inglaterra, e conta um pouco do mundo pós Segunda Guerra Mundial, muitas vezes voltando alguns anos para relatar momentos tristes que foram vividos.
Somos apresentados à jovem escritora Juliet Ashton, que um belo dia recebe uma carta de um desconhecido morador da ilha de Guernsey e fica sabendo de um clube literário denominado: A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata. Logo, Juliet fica encantada com a história e as pessoas desse clube, e decide ir até lá para então poder escrever sobre algo que julgue importante. Nessa viagem a protagonista descobre muito mais do que esperava. Escuta relatos de dores, sofrimentos e vê marcas que o tempo não é capaz de fazer sumir.
Uma das coisas mais lindas desse filme é o amor pela leitura e de como ele mostra que sim, a literatura pode e salva vidas. Cada um do clube literário tem cicatrizes da guerra que levarão pra sempre e que talvez, se não fosse os encontros semanais onde leem, não fossem capazes de ter passado pelo que passaram.

“É uma liberdade particular sentir o mundo escurecer à sua volta e precisar só de uma vela para vislumbrar novos mundos.”

Outra coisa que me agradou bastante é como tanto a Juliet, como a Elizabeth se mostram mulheres a frente do seu tempo. A força e a coragem de ambas, assim como o crescimento individual retratado no filme deixa tudo ainda mais inspirador.

“Ela deseja ser levada a sério, mas não faz isso por si mesma.”

Além disto, o figurino dos personagens é muito bem escolhido. A fotografia é um show à parte. Simplesmente maravilhosa.
Se há uma crítica, é de como o fim soa clichê comparado ao restante do filme, mas eu, amante de um bom romance, não tenho muito do que reclamar. Embora finais felizes que acontecem rapidamente me pareçam pouco críveis.
Um filme para se ver em qualquer dia e qualquer hora. Uma história com um enredo bem amarrado e que te prende do início ao fim, tocando de forma profunda sua alma.

“Jane Austen entendia do que falava, e falava de um jeito elegante.”


5 de 5 estrelas + 🌟.

Catarina



Catarina olhou-se no espelho pela enésima vez e não gostou do que viu.
Ainda assim Catarina resolveu tentar, afinal, Catarina não desistia fácil. Mas ela também não gostou de socializar.
Catarina tentou apenas escutar, se manter acompanhada mesmo que não sendo notada.
Catarina tentou tanto, tentou tanto. Catarina não queria de nenhuma maneira desistir, mas às vezes é tão difícil, né?
Me deixa te contar, Catarina. Algumas vezes tá tudo ruim mesmo. Nem todas as vezes você vai amar o que vê. Nem todo mundo vai te entender.
Me deixa te falar, Catarina. Hoje também foi um daqueles dias em que também tentei, mas não deu. Mas amanhã, quem sabe? Um dia a gente pode até se encontrar.
Acho que tudo pode melhorar.

Te Contando: Fisiologia do amor




Cecília Perosini é uma cientista inteligente e bastante determinada. Pesquisadora e professora do Centro de Fisiologia Hormonal e especializada em Química das Emoções, ela defende com unhas e dentes seus estudos sobre os famosos hormônios da paixão.

“Borboletas no estômago, suor frio, dedos trêmulos... tudo isso é apenas uma reação orgânica do nosso organismo. Pura fisiologia.”

Baseado em seus conhecimentos, nossa Dra. do amor tem uma certeza: deve fugir de caras muito lindos, atraentes e desejados. Mas como em todo bom romance, alguém surge para tirar nossa mocinha do eixo.
Bernardo é o típico cara boa pinta: brincalhão, inteligente e lindo de morrer. Ele, assim que viu Cecília e a ouviu falar com aquele jeito tipicamente dela, decidiu que queria conhecê-la melhor, mas só havia um problema: Cecília queria tudo, menos ficar perto dele.

“Ninguém é perfeito, eu sei disso, mas tem coisas que são mais propensas a darem errado, como você, por exemplo.”

Um chick-lit delicioso de ler e cheio de aprendizados que você pode levar para a vida (tanto na área sentimental, como científica). A autora tem uma narrativa muito boa e todos os pontos da história se encaixam, não restando furos. Gostei muito de como a Lyra Rocha estruturou a história e as divisões dos capítulos são muito bem feitas.
Os capítulos finais são, para mim, os mais deliciosos de ler. Eles possuem muito mais diálogos e ações dos personagens do que os capítulos anteriores, além de terem cenas que nos fazem gargalhar alto. Realmente cenas maravilhosas.
Convido vocês a se apaixonarem pela Cecília, Bernardo, Camila (eu amo a Camila) e o livro como um todo. Fisiologia do amor está sendo vendido na Amazon e também tá disponível no Kindle Unlimited.

Ah! E não esqueçam de correr atrás dos seus sonhos e de quem você ama...

“A vida é muito curta para deixar o brigadeiro esfriar.”

⭐⭐⭐⭐⭐ 4,5 de 5 estrelas.

Entrevista com a autora Lyra Rocha


Quem nos segue no Instagram já deve saber que o blog agora é parceiro da autora Lyra Rocha, e a mesma acabou de lançar seu primeiro livro na Amazon. Como amanhã terá resenha de Fisiologia do amor aqui no blog, resolvi antes trazer um pouco sobre quem escreve.
A entrevista é rápida, mas acho que tem muita coisa legal que vocês podem saber da Lyra Rocha nessas poucas perguntas.
Vamos lá?

Para iniciarmos, faça uma breve descrição sobre quem é você. Uma espécie de bio do twitter, mas com muitos mais caracteres hahahaha.
Sou Lyra Rocha, tenho 28 anos, capixaba, farmacêutica e mestre em educação em ciências e matemática. Comecei a escrever em 2015 e hoje tenho três obras completas e alguns contos por aí. Viciada em café, chocolate coca-cola e livros, residente de tão tão distante e apaixonada por doguinhos! Rs  

Quem conhece um pouco da sua origem no mundo da escrita sabe que você começou com uma fanfic de A Seleção. Como foi a mudança para algo original?
Eu achei que seria mais difícil, mas, no fim, foi libertador. Comecei ter muitas ideias que já não se encaixavam no molde de fanfic. Na verdade, eu só escrevi uma história nesse estilo, que foi a pioneira e me ajudou a entrar no mundo da escrita, por isso, sempre serei grata. Acredito que o que me deixou mais insegura era não saber se as leitoras que leram O Peso da Coroa me acompanhariam na jornada de histórias originais. O que acabou se dissipando, pois muitas estão comigo até hoje e, com novas histórias, obtive novos leitores também.

A gente sabe que todo autor tem um processo de escrita, ou melhor, tem algo que sempre o inspira. O que seria isso na sua vida?
Eu sou a pessoa mais aleatória do mundo, sabe? Não tenho um padrão, o que é péssimo porque às vezes a inspiração vem quando eu não posso escrever hahaha
Mas algo que sempre ajuda é ouvir músicas que se relacionem com a obra ou com o drama do capítulo em questão. Ah, bisbilhotar fotos no pinterest também é vida!

Você não usa seu primeiro nome para assinar suas obras. Por quê? E de onde veio seu pseudônimo?
Até pouco tempo eu usava um pseudo que ligava muito ao meu nome pessoal, fiz a troca recentemente, quando resolvi publicar na Amazon. Usar o pseudônimo me deixa mais à vontade para produzir e divulgar. Eu nunca quis chamar atenção para a minha pessoa em si, quero que as pessoas conheçam meus livros. Atrelar a minha vida de leitura e escrita com a minha pessoal estava me travando e, em um mundo onde as pessoas pouco compreendem o outro, mandam mensagens de ódio ou qualquer coisa parecida, não consigo não temer misturar as coisas. Além disso, por causa das obras que envolvem minha vida profissional (artigos e outras publicações científicas), acho melhor manter as coisas separadas.
Foi muito difícil encontrar um nome que eu me sentisse à vontade e me identificasse. Passei meses testando e procurando até chegar a “Lyra Rocha”. Achei legal manter o sobrenome para preservar parte da identidade e ainda fazer com que os meus leitores me encontrem. O nome Lyra foi uma das indicações de uma amiga. Além de achar bonito e fluente, ele significa “aquela que acalma com a sua melodia”. Acho que combina comigo, sempre fui conhecida por ser calma e tranquila e, eu não canto, mas espero que minhas palavras possam trazer esse sentimento de paz aos corações dos meus leitores.

Costumas ler muito? Quem são seus autores e livros preferidos?
Se tem uma coisa que eu faço muito na vida é ler. Hahaha Eu tenho um gosto muito variado para livros, é até difícil dizer o que é da minha preferência, mas vamos lá. Não posso deixar de falar da minha rainha Colleen Hoover, que eu amo demais. É assim que acaba e Um caso perdido sempre terão um espaço no meu coração. Gosto muito de Tillie Cole também, aquela mulher tem uma mente tão louca, que tenho até medo haha. Tem outras como a Sarah J. Maas, Amy Harmon, Elle Kennedy, Kasie West… cada uma com seu estilo de escrita.

Falando um pouco do seu livro, como surgiu a ideia de Fisiologia do amor?
Eu estava preparando um estudo sobre as emoções segundo a visão científica. Enquanto eu lia os artigos e me aprofundava, fiquei pensando como seria uma pessoa que levasse todas as teorias sobre o amor ao pé da letra. Foi assim que surgiu a Cecília e toda a sua obsessão em reger a sua vida amorosa pela ciência.

Você já contou em algumas redes sociais que a Cecília e o Bernardo tem muito de você e do seu esposo (que sorte a sua haha). Ele já leu seu livro?
O livro todo não, mas eu sempre converso com ele sobre meus livros, conto as cenas que escrevo e às vezes mando alguns trechos para ele. Ele me apoia bastante e tem uma paciência enorme por ficar me ouvindo tagarelar o tempo haha

Fisiologia do amor é apenas o primeiro livro da série Ciências do amor. Já tem algo pronto para o lançamento do segundo? Se sim, nos fala um pouco sobre ele.
O segundo livro se chama Psicologia do Amor e já está finalizado, inclusive, ficou disponível no Wattpad por um tempo. Retirei recentemente porque agora ele vai para revisão, preciso fazer uns acertos nele antes de publicar na Amazon. O que posso dizer sobre? A protagonista é a Marina e vocês vão conhecer o maior bolinho dos bolinhos, Miguel. Um encontro inusitado, uma garrafa de uísque e a música “Porque homem não chora” é o estopim para a nova história.

Lançar um livro, ainda mais de forma independente, é algo bem difícil. O que te motivou a tomar essa decisão? Deu medo?
Já tem um tempo que eu queria voar por novos ares, mas claro que rola uma insegurança. O público da Amazon é diferente do Wattpad. O medo do flop sempre existe e eu me perguntava se valeria mesmo a pena explorar essa nova página para mim. Tive muitas amigas e leitoras que me ajudaram nessa decisão, incentivo nunca faltou, por mais difícil que fosse.
O “não” a gente já tem, não é? Precisamos arriscar para ver. O pior que aconteceria é não dar leitor nenhum e eu continuar seguindo com minhas postagens no Wattpad como se nada tivesse acontecido hahaha. Mas poxa, a gente se doa, tira nosso tempo, quebra a cabeça, tenta trazer um material bacana para as pessoas lerem... por que não tentar ter um retorno financeiro por isso e até mesmo angariar novas oportunidades?

Estamos no final da nossa entrevista e queria te agradecer pela parceria com o Quando Acordei, mas antes de nos despedirmos queria fazer um pequeno bate-bola com você. Quero que responda a primeira coisa que te vem à cabeça ao ler algumas palavras.
Paixão: Chocolate
Sonho: Viajar pelo mundo
Medo: Perder as pessoas que amo
Vício: Ler
Conquista: Meu mestrado
Razão: Deus
Inspiração: Natureza
Raiva: Injustiça
Brasil: Oremos!

Agora eu sei




Eu não queria enxergar, sabe? Fechei meus olhos, tampei meus ouvidos e me fiz de louca. Tudo isso pra não reconhecer que eu nunca fui prioridade pra você. Caminhei sem rumo e se via um conhecido, mudava de caminho, só pra que ninguém me falasse o que pra mim, era duro perceber: no fundo, eu nunca importei de verdade pra você.
Doeu, todos os dias doía mais um pouco cada vez que eu, nos detalhes, via a verdade. Desejei, mais até do que torci pra estar errada, que você escancarasse de vez, gritasse a verdade e fosse embora sem falar mais nada. Pensando bem, eu te implorei pra que fizesse isso, e não foi uma vez. Meus últimos dias achando que tinha lugar na sua vida foram cheios de dores e pedidos pra que você fosse sincero e corajoso pra me tirar dali de vez.
Dói lembrar das vezes que te contei o que via e sentia, numa tentativa falha de que você tivesse um pouco de compaixão, me desse o mínimo de importância e assim me liberasse de vez. Machuca de forma brutal pensar nas vezes em que você falava coisas bonitas e me fazia acreditar que eu estava errada em ficar insegura, só pra depois me ignorar e agir como se nunca tivesse dito nada daquilo. Tantas e tantas vezes me perguntei se não era eu e meus dramas me sabotando outra vez, que na verdade você queria ficar e eu importava. Você repetiu que eu importava tantas vezes que não só tu acreditaste na mentira, mas eu também.
Em momentos como agora eu fico me questionando o que te fiz, o que foi que causei dentro de ti pra que você me enganasse por tanto tempo. Que tipo de coisa fui pra você pra que abrir mão de mim fosse algo tão negado por ti. Você não me queria de verdade, sempre soube que eu não seria sua escolha, nunca acreditou na gente. Eu nunca vou entender o motivo pelo qual você me segurou por tanto tempo, e mesmo depois de tudo, tento não ver tudo isso como algo sádico da sua parte. Talvez eu esteja me fazendo de louca novamente, mas eu não acredito que foi por alguém assim que me apaixonei.
Uma vez, em um desespero por repostas, chamei o que tivemos de paixão. Você me corrigiu dizendo que odiava o termo e o sentimento da paixão, porque a mesma era passageira, algo leviano e falso. Uma parte de mim quebrou-se inteira ao escutar aquilo, e não porque eu discorde de você, mas porque sabendo da sua certeza de que não foi aquilo, então não restava mais nada. Eu me quebrei e me refiz tantas vezes enquanto esperava por suas respostas. Me forcei a me manter de pé mesmo que eu não aguentasse mais nada, só esperando você, ao menos uma vez, me responder algo com certeza. Poucas vezes me forcei a ser tão forte.
Não faz tempo que percebi meu lugar na sua vida – que na verdade é fora dela -. Faz poucas horas desde minha conclusão. Esse texto tá sendo escrito com lágrimas. Choro cheio de dor, sim. Mas um choro também de alívio, descanso por saber que independente das suas palavras, eu enxerguei, e por mais que doa não vou mais me enganar, afinal, agora já sei: eu nunca importei pra você.

Deixa eu te contar


Queria começar te pedindo desculpa pelos meus medos e meus traumas. Ou meus traumas e medos, acho que essa ordem faz mais sentido. Cada briga e cada traição que vi no passado me deixaram amedrontada demais para embarcar rapidamente em relacionamentos. Desculpe-me por ser esse poço de traumas e medos que você sem saber se apaixonou.
Também quero te dizer que perdoou seu poço. Esse que é cheio de medos e traumas também, e que parece ainda mais fundo que o meu. Desculpo seus entraves, suas desculpas em momentos errados e suas recuadas que me deixam confusa e incapaz de confiar de verdade. Não te culpo porque sei como é ser algo assim, te desculpo porque vejo em ti muito de mim. E eu sei como é ruim.
Perdão por todas as falas sarcásticas, respostas atravessadas e conclusões precipitadas que te tiram do sério. Por todas as vezes que meu humor ácido – que nada mais é que uma forma de proteger – te jogou pra longe e deu a entender que não queria que você voltasse. É piegas dizer, mas a verdade é que nada disso é por querer. Sinto medo de me perder em ti, ou que você se perca de mim. Perdoe-me por também ter muita acidez nesse poço.
E eu te desculpo por seu jeito impaciente e por todas as vezes que até hoje você não me ouviu por ter dificuldade de perder a razão, como se tivesse que se agarrar em algo. Pelas vezes que mascarou a importância das coisas, tratando-as com indiferença. Mesmo que algumas dessas coisas tenham sido minhas palavras. Te desculpo porque também sei o que reagir de forma bruta ao medo. Tentar se enganar nessas horas e dizer que não teme é tudo que desejo. Falo isso porque essa sensação eu conheço.
Tenta relevar as vezes que tentei te afastar, pelos planos mirabolantes que já fiz na minha cabeça e que graças a Deus a maioria nem executei. Por todas as vezes que te falei que aquelas pessoas eram melhores pra você, como se eu pudesse decidir sua vida. Pelos ditos e não ditos, aqueles que te tiravam da minha vida ou me expulsavam da sua. Se der, releve mais esse balde de água que tem no meu poço.
E eu sei que isso tá parecendo uma troca, mas não é. Só que eu queria te falar que também desculpo as vezes que você me afastou. As vezes que calou e preferiu guardar pra si todos os seus problemas, mesmo que esses problemas estivessem te levando pra longe de mim. Cada um com seus motivos, a gente já foi e já deixou o outro longe. Eu nem posso e nem devo te culpar por muitas vezes achar que longe faria melhor a mim, eu penso muitas vezes o mesmo sobre ti.
Mas a prova que isso não é uma troca, te falo aqui, nesse parágrafo. Eu ainda não consigo te desculpar totalmente por não se decidir. Por todas as vezes nesse tempo todo que você arrumou algo para colocar entre a gente e não decidiu qual das coisas era mais importante. Por tudo que já pesou mais que nós, por mais que você não assuma. Pelas palavras não ditas que quase fizeram a gente se perder totalmente, e pelas ditas quando você não tinha certeza. Já tentei, mas ainda não sei se te perdoou por nunca ter me feito primeira em algo na sua vida. Por jamais querer escolher e por sempre querer segurar todas as coisas, mesmo sabendo que isso é impossível. Queria, mas não sei se te desculpo por me colocar na sua estante, mesmo que involuntariamente. Te desculpo, relevo e perdoou um monte de coisa, mas não esse tipo de indecisão.
Todo esse texto é pra dizer que te entendo, que te aceito e que te amo. Mas pra contar que nem o amor cobre tudo, ainda mais se você escolhe deixa-lo guardado, recorrendo quando acha que deve, mas quase sempre guardando-o de enfeito na sua estante.

Música da Semana



Agora eu quero ir (Anavitoria)

Encontrei descanso em você
Me arquitetei, me desmontei
Enxerguei verdade em você
Me encaixei, verdade eu dei
Fui inteira e só pra você
Eu confiei, nem despertei
Silenciei meus olhos por você
Me atirei, precipitei
Agora
Agora eu quero ir
Pra me reconhecer de volta
Pra me reaprender e me apreender de novo
Quero não desmanchar com teu sorriso bobo
Quero me refazer longe de você
Fiz de mim descanso pra você
Te decorei, te precisei
Tanto que esqueci de me querer
Testemunhei o fim do que era
Agora
Agora eu quero ir
Pra me reconhecer de volta
Pra me reaprender e me apreender de novo
Quero não desmanchar com teu sorriso bobo
Quero me refazer
Eu que sempre quis acreditar
Que sempre acreditei que tudo volta
Nem me perguntei como voltar, nem por quê
Agora eu quero ir, quero ir
Agora eu quero ir
Pra me reconhecer de volta
Pra me reaprender e me apreender de novo
Quero não desmanchar com teu sorriso bobo
Quero não desmanchar com teu sorriso bobo
Quero não desmanchar
Quero me refazer longe de você


Eu queria amar você


Não estamos nos apaixonando. Eu ainda não te quero do meu lado sempre, não desejo seus beijos mais que todos os outros, sequer quero desejar isso um dia. Os dias estão passando e eu não estou me apaixonando.
É estranho dizer, ainda mais quando se é o tipo de pessoa que espera sempre mais do que deveria, mas os dias passam e a única coisa que quero é ter você fisicamente. Porque isso você é: é quem eu penso em ligar quando a carência aperta, quem eu desejo pra beijar sem complicações, quem me vem à mente quando tô com vontade de estar nos braços de alguém. Mas é só isso, e tá tudo começando a me entristecer.  
Eu queria me apaixonar por você, garoto. Queria você apaixonado por mim também. Eu tô sentindo falta de amar e queria amar você, por mais que nós dois saibamos a burrice que seria isso. Eu não quero mais me sentir vazia assim que a gente se deixa.
Eu queria mesmo era gostar de você. 
Mas você não me deixa, tu não me permites, você sempre me avisa. Pela primeira vez eu consigo seguir com uma amizade colorida e por isso não dá mais certo. Porque eu quero amar, e eu queria amar você, mas isso não vai acontecer.