quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Papinho com a Ray: O Enem em mim


Daqui a exatamente um mês acontecerá o Enem e eu preciso mesmo levar um papo com vocês.
Desde que terminei os estudos em 2012 que Enem é um assunto bastante delicado para mim, ano passado em um cursinho conheci pessoas maravilhosas e vi o quanto o Enem era ainda mais delicado para elas. Esses dias uma delas veio conversar comigo sobre como estava à beira de um ataque de nervos graças a essa prova e eu vi que não era apenas eu que não me sentia pronta para lhe dar com esse exame, não era só ela, tem muito mais gente passando por isso, em situações melhores, mas também piores que a nossa. Então, deixa eu te falar o que tentei passar para ela, o que desde 2012 tento passar para mim e hoje quero passar para vocês.
Você não precisa me dizer os motivos para tanto pânico, a maioria eu já sei decorado, eles sempre estão na minha mente, são eles que me deixam em pânico também. Tu não precisas tentar me explicar que isso não é “frescura”, falta de responsabilidade, tentativa de pular fora. Eu sei que não é nada disso, eu já tentei explicar isso para as pessoas ao meu redor. De começo eu só quero que você saiba que eu te entendo, mais do que você pode imaginar. Mas talvez eu tenha algo novo para te contar...
Enem não pode ser termômetro da sua capacidade, muito menos da sua felicidade. Eu sei que ele pode decidir sua vida, mas há tanta gente realmente boa e que não consegue fazer essa prova, simplesmente travam na hora e elas não deixam de serem boas depois do resultado. Enem não quer dizer nada sobre você, entenda isso, ele não é uma prova sobre você, na verdade ele é uma prova sobre o que o Brasil não é, visto que a boa parte das escolas não tem uma educação no nível de Enem. E se você acha que passar sua vida trancada dentro de um quarto estudando mais de doze horas por dia é a melhor escolha – é isso que a mídia diz, não é mesmo? – eu te digo que não é. Você está perdendo muito, está perdendo sua vida.
Infelizmente a vida não tem o botão de pausa, ela continua andando enquanto você se mata por algo que só te destrói por dentro e quando você vê, todo mundo seguiu, com ou sem aprovação no Enem e só você ficou lá, no mesmo lugar, esperando uma aprovação que não vem. Eu não estou dizendo que você não precisa estudar, que deve largar tudo, só estou te dizendo que não vale a pena deixar de viver, que não vale a pena deixar que o Enem dite as regras sobre quem é você.
Eu nunca soube lhe dar com provas, sempre que via uma nota baixa me sentia fracassada, a pior pessoa do mundo, esse pensamento só piorou depois do meu primeiro vestibular. Nunca gostei de falar sobre isso, mas antes mesmo do resultado eu já não conseguia mais dormir, chorava quase todas as noites, sentia meu coração bater tão rápido e forte que aprecia que ele batia na garganta – literalmente. – Eu nem imaginava que o motivo era esse, afinal, como o melhor para mim poderia estar me destruindo desta maneira? Fui ao médico, fiz exame de coração e ele apenas me olhou e disse: “Você está esperando resultado de alguma prova?” Respondi que sim, mesmo sem entender o porquê da pergunta, e ele logo me respondeu: “Seu coração está perfeito, mas sua mente nem tanto. Isso é ansiedade.” Conversamos mais um pouco e depois de algumas broncas saí de lá com alguns remédios naturais para tomar e conseguir controlar tudo que sentia. Preciso dizer que fiquei arrasada? Mas agradeci por não ter precisado chegar aos temidos remédios tarja preta, embora se necessário eu fosse tomar sem nenhuma vergonha.
As coisas melhoraram, graças a Deus, mas eu nunca mais fui a mesma. Todos os dias preciso respirar fundo várias vezes para tentar controlar essa ansiedade que vive querendo se descontrolar dentro de mim. Todo Enem eu preciso controlar o choro dentro da sala e guardar para chorar em casa – sim, todo ano eu choro. – Todo Enem eu preciso repetir para mim mesma que aquelas dormências nos membros não são nada mais do que meu psicológico pedindo socorro, mas que não estou com alguma doença cardíaca. Toda vez que saio de casa para fazer essa prova eu preciso repetir para mim mesma que não precisa de pânico, mas essa é uma parte que ainda não consegui fazer direito. Todas as vezes que vou olhar o resultado, preciso controlar o choro, a falta de ar e me dizer em voz baixa que eu não sou uma fracassada, independente desse resultado. E eu não sou mesmo, nem você é.
Estudar para o Enem virou uma batalha para mim, basta começar a estudar demais para que a vontade de chorar volte, as insônias comecem a me atormentar, o coração comece acelerar e até náuseas eu comece a sentir. E eu te juro, como eu queria controlar isso, como eu desejo manter o controle, mas na maioria das vezes parece impossível, sinto como se algo tivesse quebrado e fosse incapaz de ser restaurado. E de pensar que existe gente em situações bem piores que a minha. Posso te fazer um pedido?
Quero te pedir para manter o controle, para respirar fundo, se aceitar. Se você permitir quero que entenda que você não vai deixar de ser maravilhosa(o) só porque não conseguiu uma boa nota, que ser feliz é diferente de se obter o sucesso que a sociedade prega. Felicidade está nas menores coisas, está no conjunto delas. Felicidade estar em rir com os amigos e familiares, em sair e pagar mico com a galera e rir disto toda vez que lembrar, é sair pra conhecer uma banda nova, experimentar algo novo, fazer aquela loucura, você não viverá anda disso dentro de casa.
Você é muito mais que uma prova e embora você não acredite agora, seus familiares sabem disso. Não deixe que esse exame tire o melhor de você, que é ser quem você é. Eu acredito em mim e acredito em você, não apenas para se dar bem no Enem, mas para conseguir seguir com a vida independente do resultado. 



Nenhum comentário :

Postar um comentário