Papinho com a Ray

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Oi, oi amores. Tudo bem com vocês? Tudo na santa paz de Deus?
Hoje eu to a fim de bater um papinho com vocês. O tema não é nada inovador, mas sabe quando você sente necessidade de tocar nesse assunto? Eu quero  muito falar sobre isso.

Padrões de beleza!

Eu sou super a favor de você se amar como você é, levanto essa bandeira. Mas parece até que a questão de se amar virou competição, sabe? Esses dias eu tava vendo uma postagem de uma revista, e nos comentários estava rolando uma briga entre “ magrinhas e gordinhas “ pra saber qual delas passava por mais dificuldades, se o homem gostava mais de osso ou de gordura, quem sofria mais bullying na escola, etc. Eu fiquei tipo: oi? Já não chega a mídia impor você ser de tal jeito, agora a gente briga entre si?
Sou muuuito magra e me sinto totalmente descolada dos padrões brasileiros de beleza. Não tenho as famosas carnes que os brasileiros fazem questão de dizer que gostam de apertar. Já escutei muitos apelidos maldosos sobre meu peso, meu corpo, com quem eu me parecia. Me incomodei muito no passado. Mas tenho uma amiga gordinha e ela também se sente deslocada, também já escutou apelidos maldosos sobre o peso, se incomodou e os mesmo brasileiros que dizem que não tenho carne são os mesmos que a acusam de ter carne demais.
Nós duas vamos brigar por isso? Me digam se faz algum sentido.
Ela sofre pra encontrar roupas que não sejam tão “ adultas “ e eu sofro pra encontrar roupas que não sejam tão “ infantis “. Ambas já se incomodaram pelos apelidinhos que receberam, ou pelos comentários maldosos de carinhas que já gostamos e que nos achavam “ diferentes dos padrões “ deles.
Não faz sentido essa briga, entendem?
Se amar é muito diferente de se sentir superior aos outros. Isso é só mais uma maneira de levantar um novo padrão. Se amar do jeito que você é não significa que só o seu jeito é o certo e muito menos que você tenha preconceito com o outro.
Você pode muito bem amar seus ossos a mostra e você também pode amar suas curvas. Mas não significa que isso te faz melhor ou pior que ninguém, que você sim tem a melhor beleza. A ideia é que cada um se ame e que não se crie mais padrões de beleza tão rígidos a serem seguidos.
Então, em vez de apontar o dedinho magrinho ou gordinho pra sua colega dizendo que você sim tem o melhor corpo, ou que você sim sofreu mais. Que tal dizer: Nós duas somos lindas do jeito que somos, e nós duas devemos nos amar assim?
Acredito que isso sim faz bem pra autoestima de qualquer garota.
E vocês, o que acham?

4 comentários:

  1. Não sei se eu conseguiria expressar o amor que estou sentindo por esse texto que você escreveu... Acho que não tem como eu fazer isso utilizando-me de palavras. Se bem que acho que nem precisa... Acho que você já entendeu... <3

    Então, eu respondi uma TAG lá no meu Blog e te marquei. É bem legal e eu ficaria muuito feliz se te visse respondendo-a também! http://eujovemdemais.blogspot.com.br/2015/05/tag-complete-frase.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Won, que fofa você <3 . Que bom que gostou do texto, fico feliz de saber que ele está alçando e agradando garotas.

      Depois vou olhar a tag e quando eu responder comento lá com o link, obrigada por ter lembrado de mim.

      Beijos

      Excluir
  2. Eu super concordo com você!! Eu também sou magra, peso 39kg, tenho 1,49 e sempre ouço apelidos maldosos. É triste sim, mas a gente supera. Como eu sou bipolar é difícil sim aceitar suahuashu, mais eu lembro que eu sou única e vou morrer assim: magra e baixinha <3
    Um beijão e o seu post me encorajou :) Entre As Memórias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que meu post de alguma maneira encorajou vocês, fico imensamente feliz por isso <3 . E o bom é não dar muitos ouvidos pra os comentários.

      Beijos

      Excluir